Opinião – Aníbal Coutinho

salvador doc

Salvador Sobral abriu mais uma janela pela qual novos públicos de todo o mundo irão querer ver, ouvir e provar Portugal. Com uma voz e presença únicas, reforçou a perceção atrativa de uma origem (ou destino) a conhecer. Estranhámos a Austrália num concurso europeizado, mas é de lá que chegam resultados interessantes acerca do poder das regiões de origem do vinho, com base num inquérito a 400 adultos que adquiriram pelo menos uma garrafa de vinho nos últimos 90 dias. A qualidade percecionada de um produto é o fator-chave na decisão de compra. No caso do vinho, a avaliação da sua qualidade é racionalizada pelo comprador através de indicadores: preço/promoção; estilo/tipo/cor; marca; região de origem; design/rótulo/embalagem; recomendação/medalhas. O estudo australiano conclui que as mulheres dão mais valor à região de origem do que os homens e que este fator é mais importante para quem prefere tintos. E para os nossos governantes: as visitas enoturísticas a uma região de origem influenciam proporcionalmente a decisão de compra pelos vinhos lá produzidos. Celebremos a nova Salvador DOC com o tinto de Excelência Uva de Ouro Dona Ermelinda Reserva 2014 da típica Palmela DOC, maioritária de castelão.

"A qualidade percecionada de um produto é o fator-chave na decisão de compra. No caso do vinho, a avaliação da sua qualidade é racionalizada pelo comprador através de indicadores."