Opinião – Aníbal Coutinho

Bandeira Verde e Vermelha

Bicolor, retangular, com o verde da esperança (e da independência de 1640) na flama e no batente o vermelho ardente que honra os nossos heróis e incita à vitória. A esfera armilar manuelina consagra a épica história marítima portuguesa. O escudo português, que nos acompanha desde o rei Sancho I, recorda a identidade e integridade nacionais. A atual bandeira de Portugal celebra 106 anos. Testemunho de alegrias desmedidas e do orgulho nacional nos pódios de todo o mundo, simboliza, a meia-haste, o luto de um povo para com as vítimas dos incêndios. Unidos e solidários a resolver o presente, individualistas e ingénuos a programar o futuro. No festival da Comida Continente e na gala Uva de Ouro 2017 brindarei com o espumante branco Contemporal, Reserva, Bruto, DOC Bairrada, 2014, Prémio Melhor da Região, à esperança de novo e imperativo ordenamento do nosso território que possa controlar, amanhã, uma natureza cada vez mais excessiva.  A vinha, para além de eficaz corta­‑fogo, contribui com trabalho, riqueza e encanto paisagístico para o povoamento do interior cada vez mais negro.

“A vinha, para além de eficaz corta­‑fogo, contribui com trabalho, riqueza e encanto paisagístico para o povoamento do interior cada vez mais negro.”