Curiosidades

O que diz um rótulo

Para além da imagem, que tem de ser agradável, a informação incluída nos rótulos compreende elementos que podem conduzir à escolha.

A marca, a casa produtora e/ou distribuidora, a graduação alcoólica e o volume do conteúdo são dados contidos no rótulo. Também elementos como a proveniência regional ou a denominação de origem.

Para o contrarrótulo ficam dados sobre a empresa, prova do vinho, castas e outras informações que o produtor e/ou distribuidor considerem necessárias. Isto, para além do código de barras e selo da comissão vitivinícola regional respetiva, no caso dos vinhos com designação de origem. Mas nem sempre é assim.

O conteúdo dos rótulos está legislado e obedece a regras.
Tem de conter informações sobre a marca, o tipo (branco, tinto, etc.), a percentagem de álcool em volume e a quantidade de líquido contido. Mas esta informação nem sempre parece estar naquilo que vemos como rótulo principal. Para melhor transmitirem o que querem difundir, os produtores e/ou distribuidores optaram por transfigurar o contrarrótulo, de forma a comunicar apenas a mensagem mais aliciante para os consumidores de cada referência: marca, região, casta, ano de colheita, outros dados mais específicos, etc.

Todos estes elementos podem figurar sós ou em conjunto, conforme o objetivo da informação transmitida. Nestes casos, o comprador encontra o verdadeiro rótulo no outro lado da garrafa, com a informação obrigatória por lei, muitas vezes complementada por dados sobre a casa, o tipo de vinho ou outros elementos.