destaque_entrevista_tiago_simoes

Tiago Simões - Diretor de Marketing Continente

Tiago Simões – Diretor de Marketing Continente

“os portugueses valorizam produtos reconhecidos pela qualidade”

No âmbito da 5.ª edição do concurso de vinhos “Uva de Ouro”, Tiago Simões, Diretor de Marketing do Continente, conta-nos como este prémio tem vindo a evoluir, e como tem ele próprio dado azo a uma evolução no mercado dos vinhos em Portugal.

A enorme qualidade dos vinhos portugueses é uma realidade. Como podemos comunicar essa realidade ao grande público?
Sim, a qualidade geral dos vinhos portugueses é uma realidade que, do nosso ponto de vista, já é conhecida do grande público. O grande desafio passa por mostrar que essa qualidade não é exclusiva de uma ou duas regiões e de 10 ou 20 referências. Felizmente, Portugal dispõe de muitos e bons vinhos e, por isso, temos obrigação de valorizar este produto que é tão apreciado e tem tanta tradição em Portugal. É para valorizar e mostrar essa variedade de vinhos de qualidade que o Continente realiza periodicamente Feiras de Vinhos e promove o Concurso de Vinhos “Uva de Ouro”, que distingue os melhores através de um selo que os produtores podem colocar nas suas embalagens, para dignificar o seu trabalho e facilitar a decisão dos consumidores.

A democratização do acesso a vinhos de qualidade é a bandeira do Prémio Uva de Ouro. Que balanço faz das 4 edições já realizadas?
A realização de mais uma edição do Concurso é a prova do sucesso da iniciativa. Estamos muito satisfeitos com o histórico do Concurso, pois sabemos que o selo atribuído é valorizado tanto por produtores como por consumidores.

A inclusão dos vinhos fortificados e efervescentes no concurso trouxe maior diversidade na avaliação. Ainda existem segmentos do mundo dos vinhos por avaliar?
Claro que sim, há um número muito elevado de segmentos que ou pelas produções reduzidas ou pela pouca ou nula expressão em Portugal não terão ainda entrado a concurso, mas é possível com a maior diversidade que a produção vitivinícola portuguesa apresenta de ano para ano, que novos nichos tenham visibilidade e produção suficiente para serem submetidos à prova.

De que forma o Prémio Uva de Ouro influenciou as opções de consumo dos portugueses?
O Concurso “Uva de Ouro” foi criado para distinguir e dignificar a qualidade dos vinhos portugueses e, como o reconhecimento se materializa na atribuição de um selo, é fácil para os consumidores identificarem os vencedores, o que facilita também o processo de decisão de compra. A avaliar pelos últimos anos, a distinção reflete-se nas vendas, pois os portugueses valorizam produtos reconhecidos pela qualidade.

“Estamos muito satisfeitos com o histórico do Concurso, pois sabemos que o selo atribuído é valorizado tanto por produtores como por consumidores”

Os vinhos Contemporal também são avaliados neste prémio. Não considera este um desafio elevado?
Sim, são um desafio, pois o Concurso confronta os nossos vinhos Contemporal, que se distinguem pela ótima relação qualidade-preço, com todos os vinhos concorrentes. Felizmente, tem dado bastante reconhecimento aos nossos vinhos.

É possível preservar o carácter isento dos prémios com a presença destes vinhos? E como se explicam os bons resultados obtidos?
Sim, o facto do Concurso compreender provas cegas e ser certificado por uma entidade idónea e respeitada como o Instituto da Vinha e do Vinho, dá garantias de isenção e credibilidade, tanto aos participantes como aos consumidores.

Quais as expectativas para esta edição do Prémio Uva de Ouro?
A expectativa que temos é a de que o número de participantes no Concurso cresça e que os vinhos mantenham, pelo menos, a qualidade demonstrada nas edições anteriores. Depois, esperamos, naturalmente, que o Concurso ganhe ainda mais notoriedade, para que os portugueses facilmente identifiquem e apreciem vinhos de qualidade superior.