Opinião – Aníbal Coutinho

enólogos de abril

Na semana da Liberdade, celebramos um dos setores mais vibrantes e colunáveis da economia portuguesa; também um dos mais antigos e entranhados na Portugalidade e nas nossas famílias. O vinho testemunhou os Reis fundadores, descobridores e liberais, a Ditadura do Estado Novo e adapta-se à modernidade democrática. Nunca como hoje o consumidor teve tanta escolha de qualidade e preço, em todas as regiões vinícolas, em todas as cores e tipologias. A arte portuguesa de fazer vinho continua a ser elevada internacionalmente por enólogos que aliam a tradição à melhor formação técnica, proposta por vários institutos de ensino superior. Presentes como membros do Júri do Concurso Uva de Ouro 2016, professores e alunos do Instituto Superior de Agronomia e da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, bem como inúmeros enólogos representantes da Associação Portuguesa de Enologia, colocaram a sua capacidade sensorial ao serviço dos consumidores e da produção nacional, escrutinando os melhores vinhos aos quais foram atribuídos as tão desejadas medalhas. Celebramos a democracia no acesso a estes néctares premiados com Pedra Cancela Seleção do Enólogo, um tinto da DOC Dão e da colheita de 2015, vencedor da Medalha de Excelência.

"A arte portuguesa de fazer vinho continua a ser elevada internacionalmente por enólogos que aliam a tradição à melhor formação técnica, proposta por vários institutos de ensino superior."